Império Serviços de Cobrança - Empresa de Cobrança especializada em Recuperação de Créditos | Empresa de Cobrança especializada em Recuperação de Créditos

SP

(11) 4432-2894

Outros Contatos:

SP(11) 4432-2894

GO(62) 4053-9013

SP(11) 98458-2542

SP(11) 4063-6933

RJ(21) 4062-7555

RS(53) 4062-9080

SC(47) 4052-9472

Solicite seu Orçamento Clique aqui

Promessa que não se cumpriu

“Pai, por que todo mundo no colégio tem livro para estudar, menos eu?” Vinda do filho de dez anos, essa foi a pergunta mais difícil que José Luiz dos Reis ouviu em seus 41 anos de vida. Ele conta que se sentiu uma pessoa inferior. “Os outros pais fizeram a parte deles, e eu não.”

Apesar de ter salário de R$ 5,2 mil, Reis só pode usar R$ 600 por mês. O resto vai para os credores. Super endividado, o servidor, que trabalha há duas décadas no governo do Distrito Federal se arrepende dos empréstimos que fez. “Errei porque, quando a situação apertou, quis resolver tudo no banco.” No fim de 2012, Reis tentou renegociar sua dívida. A cada tentativa, aumentavam o número de parcelas e o valor final a ser pago.

“Usar a TV e falar que os juros estão baixos é muito bonito, mas quando você chega lá, descobre que é de outro jeito”, diz.

As tentativas de Reis aconteceram no mesmo período que os brasileiros viram o Banco Central fixar – e manter por seis meses – a mínima recorde da taxa básica de juros. De outubro de 2012 a março deste ano, a Selic foi de 7,25%, o menor porcentual da história. Mas o consumidor não chegou a sentir isso.

O preço que os consumidores pagam pelo crédito inclui, além da Selic, impostos, risco de inadimplência, gastos administrativos e lucro das instituições financeiras. “Se você vai emprestar dinheiro para o banco, será observada a Selic. Mas, se você precisa de dinheiro, vai pagar as taxas que a instituição quiser”, diz Donizét Píton, presidente do Instituto Nacional de Defesa dos Consumidores do Sistema Financeiro (Andif).

Só os juros de empréstimos com garantia, como para compra de automóveis e imóveis, têm taxas menores. “Tanto no crédito de carro quanto no de casa, o emprestador tem garantia. Se você não paga, ele toma o bem. É diferente no caso do cheque especial ou cartão de crédito. Não acontece muita coisa se não houver pagamento do cheque especial, por isso é mais caro”, diz o professor de economia e finanças da Fundação Dom Cabral Rodrigo Zeidan.

A Andif, que desde 1997 moveu mais de 55 mil ações judiciais contra instituições financeiras, apontou os principais problemas enfrentados pelos brasileiros no relacionamento com os bancos. A cobrança de juros abusivos é o primeiro item, seguido pela inflexibilidade nas negociações. O instituto aponta que os funcionários que atendem os devedores estão preparados apenas para cobrar, e não para negociar. Os contratos, em geral pouco claros, também são alvo de problemas.

Fonte: EM

Copyright © 2021 Império Serviços de Cobrança. Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Mapa do Site

Agência FG - Uma Agência Full Service que Faz Acontecer! Agência FG - Uma Agência Full Service que Faz Acontecer!